Para verificar o currículo lattes clique aqui.





Tratamento de queilite actínica com terapia fotodinâmica - avaliação clínica e anatomopatológica de 19 pacientes

*Artigo original no idioma Português Brasileiro.

VOLUME 87 - Nº 3: Investigação clínica, epidemiológica, laboratorial e terapêutica


Autoria


Camila Ferrari Ribeiro

Fernanda Homem de Mello de Souza

Juliana Merheb Jordão

Letícia Cortes Haendchen

Lismary Mesquita

Juliano Vilaverde Schmitt

Luciana Lisboa Faucz



RESUMO


FUNDAMENTOS: Queilite actínica, afecção causada por exposição solar crônica e tabagismo, é considerada lesão pré-maligna com possibilidade de transformação para carcinoma espinocelular. Alguns tratamentos descritos são invasivos, têm resultados inestéticos e requerem múltiplas aplicações. OBJETIVO: Verificar o uso de tratamento efetivo com resultado esteticamente aceitável. MÉTODOS: Ensaio clínico não controlado, utilizando terapia fotodinâmica com cloridrato de aminolevulinato de metila creme 16%, única aplicação, na queilite actínica de lábio inferior. Aplicação de questionário padronizado para avaliar melhora clínica da lesão subjetiva do paciente e satisfação com tratamento. Avaliação anatomopatológica antes da aplicação e dois meses após. RESULTADOS: Amostra compreendeu 19 pacientes (10 homens e 9 mulheres), fototipos I a III, idade média 62 anos. Principais efeitos adversos: dor imediata, crostas, herpes labial e edema. Escore médio de dor referida durante o procedimento foi 5,8±2,9. Na avaliação final, os pacientes referiram melhora de 80% das lesões e apresentaram mediana de 85% de satisfação (p < 0,01). Análise anatomopatológica mostrou diminuição significativa de displasia (p=0,03), apesar da persistência em 84% dos casos. Não houve correlação significativa da redução no grau de displasia com impressão subjetiva de melhora clínica (p=0,82) ou com satisfação final do paciente (p=0,96). CONCLUSÃO: TFD é efetiva no tratamento da queilite actínica, porém associada a grau significativo de dor. Devido à persistência de displasia, mais estudos são necessários para definir o número ideal de aplicações para tratamento efetivo destas lesões.



Percepção de queda de cabelos e sintomas depressivos em pacientes do sexo feminino em ambulatório de dermatologia geral

*Artigo original no idioma Português Brasileiro.

VOLUME 87 - Nº 3: Investigação clínica, epidemiológica, laboratorial e terapêutica


Autoria


Juliano Vilaverde Schmitt

Camila Ferrari Ribeiro

Fernanda Homem de Mello de Souza

Elisa Beatriz Dalledone Siqueira

Fernanda Regina Lemos Bebber



RESUMO


Fundamentos: Queda de cabelos é queixa frequente entre mulheres, podendo estar relacionada a comprometimento psicológico. OBJETIVOS: Investigar a prevalência da queixa de queda capilar em pacientes dermatológicas e sua associação com sintomas depressivos. MÉTODOS: Estudo transversal com pacientes femininas, ambulatoriais, maiores de 20 anos de idade, sem doenças capilares. Foram questionadas quanto à presença de queda de cabelos e avaliadas quanto à presença de sintomas depressivos. Também analisaram-se: idade, diagnóstico dermatológico, comorbidades, medicações, história familiar de alopecia, comprimento capilar, número de fios obtidos à tração e presença de rarefação capilar ou dermatite seborreica. Os dados foram comparados bivariadamente e por regressão logística múltipla entre os grupos com e sem queixa de queda capilar. RESULTADOS: Das 157 mulheres entrevistadas, 54% referiam queda capilar e 29%, ao menos dois sintomas depressivos fundamentais. A idade mediana foi 51+20 anos. A queixa de queda capilar esteve associada à presença de sintomas depressivos, mesmo quando ajustada pelas demais covariáveis (p = 0,02; OR = 2,79 [IC 95%: 1,18-6,61]). Pacientes com e sem queixa também diferiram, significativamente, quanto à idade (p = 0,03), à história familiar de alopecia (p < 0,01), ao comprimento capilar (p = 0,01), ao número de fios obtidos à tração (p = 0,02), à rarefação capilar (p < 0,01), à dermatite seborreica (p < 0,01) e a problemas de relacionamento pessoal (p = 0,04). DISCUSSÃO: Alterações capilares configuram tema de frequente interesse nessa população. A significativa associação dessa queixa com sintomas depressivos indica relação entre a percepção da saúde capilar e o bem-estar psicológico das mulheres avaliadas. Conclusão: A queixa de queda capilar foi frequente e esteve associada a maior prevalência de sintomas depressivos entre as pacientes adultas de ambulatório dermatológico público.



Mulheres adultas com acne apresentam maior risco de elevação de triglicerídeos ao uso de isotretinoína oral

*Artigo original no idioma Português Brasileiro.

VOLUME 86 - Nº 4: Comunicação – Anais Brasileiros de Dermatoloiga


Ver todas as ilustrações Download do Artigo em PDF Imprimir Artigo

Autoria


Juliano Vilaverde Schmitt

Especialista; médico dermatologista do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Mariana Tavares

Médica estagiária da Fundação Pró-Hansen (FPH) – Curitiba (PR), Brasil

Felipe Bochnia Cerci

Médico residente da Fundação Pró-Hansen (FPH) – Curitiba (PR), Brasil.



RESUMO


A isotretinoína apresenta restrições relacionadas a efeitos no perfil lipídico. Revisaram-se 90 pacientes tratados, em busca de fatores predisponentes a essas alterações. Houve elevação significativa do colesterol e triglicerídeos. Os pacientes em que estes últimos mostraram essa alteração foram, em sua maioria, do sexo feminino, predileção que não ocorria com as alterações iniciais. Mulheres com acne persistente talvez representem população de risco para tais efeitos colaterais.


Palavras-chave: ISOTRETINOÍNA , ACNE VULGAR , RETINOIDES , HIPERLIPIDEMIAS , MULHERES



Aumento da incidência de carcinoma basocelular em hospital universitário: 1999 a 2009 *

*Artigo original no idioma Português Brasileiro.

VOLUME 86 - Nº 2: Comunicação


Juliano Vilaverde Schmitt

Especialista - médico dermatologista – Mestrando pelo departamento de patologia cirúrgica da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (FMB – UNESP). Preceptor do serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Valquíria Pessoa Chinem

Especialista - médica dermatologista – Mestre pelo departamento de patologia cirúrgica da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (FMB – UNESP) – Botucatu (SP), Brasil.

Mariângela Esther Alencar Marques

Professora Doutora - Professora do departamento de patologia cirúrgica da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (FMB – UNESP) – Botucatu (SP), Brasil.

Hélio Amante Miot

Professor Doutor - Professor adjunto do departamento de dermatologia e radioterapia da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (FMB – UNESP) – Botucatu (SP), Brasil.


RESUMO


A incidência do carcinoma basocelular vem aumentando em todos os países. Realizou-se estudo ecológico de 5169 laudos de carcinoma basocelular, da FMB-Unesp, entre janeiro/1999 e dezembro/2009. O incremento médio da incidência para o período foi de 90,6%, projetando-se um diagnóstico para cada 15 pacientes encaminhados à dermatologia. Tal tendência se manteve, mesmo quando indexada pelo número de laudos histopatológicos, movimento hospitalar, atendimentos da dermatologia e população de Botucatu.


Topografia do carcinoma basocelular e suas correlações com o gênero, a idade e o padrão histológico: um estudo retrospectivo de 1.042 lesões *


*Artigo original no idioma Português Brasileiro.

VOLUME 86 - Nº 2: Investigação clínica, epidemiológica, laboratorial e terapêutica


Autoria

Cláudia Fernanda Dias Souza

Médica estagiária do Serviço de Dermatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Emanuela Plech Thomé

Médica estagiária do Serviço de Dermatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Paula Fatuch Menegotto

Médica residente do Serviço de Dermatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Juliano Vilaverde Schmitt

Médico dermatologista; preceptor do ambulatório de dermatologia da Fundação Pró-Hansen (FPH) – Curitiba (PR), Brasil.

José Roberto Toshio Shibue

Médico dermatologista; preceptor do Serviço de Dermatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Roberto Gomes Tarlé

Médico dermatologista; preceptor do Serviço de Dermatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.


RESUMO


FUNDAMENTOS: O carcinoma basocelular corresponde a 75% dos tumores cutâneos. A exposição solar e a genética estão relacionadas à sua etiologia. Espera-se que diferenças comportamentais e biológicas proporcionem padrões diferenciados de acometimento entre os sexos.

OBJETIVOS: Avaliar a topografia das lesões e suas correlações com gênero, idade e tipo histológico.

MÉTODOS: Estudo retrospectivo de pacientes tratados por carcinoma basocelular entre 1999 e 2008 no ambulatório de câncer da pele da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba. Avaliamos sexo, idade, localização, tipo histológico, situação das margens, histórico de fotoexposição e antecedentes familiares de câncer cutâneo.

RESULTADOS: Contabilizamos 1.042 lesões em 545 pacientes (61% mulheres), sendo mais numerosas nos homens (p < 0,01). As idades variaram entre 27 e 95 anos (mediana = 65). Os homens apresentavam mais fotoexposição (p < 0,01). As lesões extracefálicas foram mais frequentes recentemente (p < 0,01). O comprometimento de margens foi maior na cabeça (p < 0,01). O tipo superficial foi menos frequente na cabeça (p < 0,01) e se associou a idades menores nas mulheres (p < 0,01). A cabeça abrigou 74% das lesões, e as pernas, 2%. As mulheres apresentaram predileção para pernas, nariz e lábio superior e os homens para tronco, orelhas e couro cabeludo (p < 0,05). As cirurgias no epicanto medial e couro cabeludo ocorreram em idades menores (p < 0,01).

CONCLUSÕES: Identificamos associação significativa entre a topografia das lesões, o gênero, a idade e o tipo histológico, demonstrando a possível diversidade fisiopatológica e de atuação dos fatores de risco. No período estudado não verificamos tendência de aumento na proporção de jovens e mulheres entre os pacientes.


Palavras-chave: PATOLOGIA , TOPOGRAFIA , DISTRIBUIÇÃO POR IDADE , DISTRIBUIÇÃO POR SEXO , CARCINOMA BASOCELULAR ,


Padrões clínicos de acne em mulheres de diferentes faixas etárias

Schmitt, Juliano Vilaverde; Masuda, Paula Yoshiko; Miot, Hélio Amante

An. Bras. Dermatol. 84(4): 349-354, GRA, TAB. 2009 Aug.

SciELO Brasil Idioma(s): Português

Resumo em português

FUNDAMENTOS: Acne é dermatose comum que acomete ambos os gêneros e todas as faixas etárias. Mulheres apresentam diferentes padrões clínicos da doença, além de frequente persistência da acne após a adolescência. OBJETIVO: Analisar características clínicas e epidemiológicas associadas às diferentes faixas etárias acometidas por acne feminina. MÉTODOS: Estudo transversal envolvendo mulheres com diagnóstico de acne, atendidas em ambulatório de dermatologia g eral. Variáveis relacionadas à doença e às pacientes foram avaliadas com o emprego de questionário padronizado. RESULTADOS: Avaliaram-se 103 pacientes, cuja idade média na época da consulta foi 21,7 ± 7,3 anos. Definiram-se dois subgrupos com idade de corte de 21 anos e idades médias de 15,8 ± 2,3 e 28,0 ± 5,1 anos. Houve correlação entre a duração do quadro e a idade das pacientes na consulta (R = 0,7). Observaram-se diferenças entre os grupos nas frequências de uso de contraceptivo oral combinado (OR = 48,1), lesões no colo (OR = 11,6), lesões no dorso (OR = 0,2), predominância na topografia superior da face (OR = 0,1) e idade de início das lesões (OR = 1,8). No grupo de mulheres adultas, 80% relataram início do quadro antes dos 20 anos. CONCLUSÕES: Identificaram-se padrões clínicos cronológicos e topográficos que caracterizaram a acne feminina em diferentes faixas etárias, alertando para a importância da abordagem diagnóstica e terapêutica individualizada.




Estudo comparativo de uso de Laser de diodo (810nm) versus luz intensa pulsada (filtro 695nm) em epilação axilar

Surgical & Cosmetic Dermatology - VOLUME 2 - Nº 3: Artigos Originais 


Autoria

Fernanda Homem de Mello de Souza 
Residente em dermatologia, terceiro ano, do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Camila Ferrari Ribeiro 
Especializanda em dermatologia, segundo ano, do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Silvelise Weigert 
Residente em clínica médica, segundo ano, do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Juliano Villaverde Schmidt 
Médico dermatologista do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Lincoln Zambaldi Fabricio 
Chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba Hospital – Curitiba (PR), Brasil.

Deborah Skusa de Torre Ataíde 
Chefe do Ambulatório de Cosmiatria do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – Curitiba (PR), Brasil.

Introdução: Laser de diodo e luz intensa pulsada estão entre as tecnologias mais utilizadas para fins epilatórios.
Objetivo: Comparação entre essas técnicas na epilação axilar.
Métodos: 15 pacientes de fototipos II e III foram submetidas a três sessões regulares de luz intensa pulsada (695nm) – Plataforma Quantum HR® (Lumenis,Yokneam, Israel) na axila direita e Laser de diodo (810nm) – Light Sheer
® (Lumenis,Yokneam, Israel) na axila esquerda. Foi realizada contagem de pelos pré e pós-tratamento, além de aplicado questionário sobre efeitos adversos, dor e satisfação das pacientes.
Resultados: O escore de dor foi significativamente maior para a luz intensa pulsada, assim como o grau de inflamação (p<0,01 e p=0,03).Houve correlação significativa entre a fluência utilizada, a dor atribuída e o grau de inflamação para as duas técnicas (p<0,05). Ambas as técnicas proporcionaram redução significativa e semelhante na densidade de pelos. As pacientes consideraram o resultado final similar, porém à luz intensa pulsada foram atribuídos maiores efeitos colaterais. Não houve diferença na proporção de preferência entre os diferentes métodos (p=0,80).
Conclusão: Na amostra estudada, com os parâmetros descritos, houve menor dor e incidência de efeitos colaterais com o uso do Laser de diodo em comparação à luz intensa pulsada, e eficácia semelhante entre as duas técnicas.



Ensaio randomizado, duplo-cego e controlado de anestesia tópica induzida por iontoforese de lidocaína

*Artigo original no idioma Português Brasileiro. 


Surgical & Cosmetic Dermatology - VOLUME 1 - Nº 3 Artigo de investigação 


Autoria

Juliano Vilaverde Schmitt 
Especialista – Médico dermatologista Fundação Pró-Hansen

Hélio Amante Miot 
Doutor – Professor assistente Departamento de Dermatologia da FMB-Unesp


Introdução: A infiltração por agulha de anestésico local é dolorosa, portanto, o anestésico tópico constitui uma alternativa confortável, sendo, porém, difícil a administração transcutânea de fármacos polares. Iontoforese é uma técnica não invasiva que utiliza corrente elétrica para liberação de fármacos carregados eletricamente através de membranas biológicas. Objetivo: Avaliar a anestesia induzida por iontoforese de lidocaína para um estímulo doloroso padronizado.Material e métodos: Ensaio controlado, randomizado e duplo-cego envolvendo dez voluntários sob efeito anestésico da aplicação tópica de gel de lidocaína 2% e noradrenalina 1:50.000 com ou sem iontoforese de 1,85 miliamperes por 13 minutos. A sensibilidade dolorosa foi avaliada pela picada de uma agulha 21G na face posterior dos braços, usando-se uma escala visual numérica. Resultados: A idade média dos pacientes foi 50,8 ± 11,4 anos. O grupo de pacientes era composto por nove mulheres e um homem. Todos já haviam recebido anestesia infiltrativa anteriormente. A iontoforese foi bem tolerada pelos voluntários. As medianas dos escores de dor foram de 0 e 3 para o braço que recebeu a iontoforese e o que não recebeu, respectivamente (p < 0,01). Conclusão: O efeito anestésico na região submetida à iontoforese sugere um método eficiente e confortável para promover anestesia local, contribuindo para a abordagem cirúrgica de pacientes pediátricos, hiperálgicos, ou com pânico de agulhas.




Armadillo meat intake was not associated with leprosy in a case control study, Curitiba (Brazil)

 

Juliano Vilaverde Schmitt1/+, Ivone Tod Dechandt1, Gisele Dopke1, Maria Luiza Ribas1, Felipe Bochnia Cerci1, Juliana Maria Zucco Viesi1, Helena Zenedin Marchioro1, Mariana Martins Bardou Zunino1, Hélio Amante Miot2

 

Mem Inst Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Vol. 105(7): 000-000, November 2010

 

1Fundação Pró-Hansen, Rua Fernando Amaro 1116, 80050-020 Curitiba, PR, Brasil 2Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil

 

Leprosy’s progression and its maintained endemic status, despite the availability of effective treatments, are not fully understood and recent studies have highlighted the possibility of involved Mycobacterium leprae ambi­ent reservoirs. Wild armadillos can carry leprosy and, because their meat is eaten by humans, development of the disease among armadillo meat consumers has been investigated. This study evaluated the frequency of armadillo meat intake among leprosy patients as well as age and gender matched controls with other skin diseases from a dermatological unit. Armadillo meat consumption among both groups was adjusted by demographic and socioeco­nomic covariates based on a conditional multiple logistic regression model. One hundred twenty-one cases and 242 controls were evaluated; they differed in socioeconomic variables such as family income, hometown population and access to treated water. The multivariate analysis did not show an association between the intake of armadillo meat and leprosy (odds ratio = 1.07; CI 95% 0.56-2.04), even when only cases with no known contacts were analyzed. We conclude that leprosy is not associated with the intake of armadillo meat in these patients.



 

 

Todos os direitos reservados 2012 - Juliano Vilaverde Schmitt - Botucatu/SP - Brasil